Como reconhecer crianças maltratadas: sintomas e indícios

O primeiro passo para ajudar as crianças que são abusadas ou negligenciadas, é reconhecer os indícios de maus-tratos a menores. A presença de um só indício não constitui prova suficiente de que houve um abuso numa família; no entanto, vale a pena avaliar esta situação, se estes indícios voltarem a manifestar-se com frequência, nomeadamente em combinação com outros.

A denúncia da suspeição de que uma criança é vítima de maus-tratos ajuda a proteger a criança e, eventualmente, a sua própria família. Qualquer pessoa interessada pode denunciar suspeições de abuso e negligência de menores. Algumas pessoas (certas classes profissionais) são obrigadas, por lei, a denunciar os maus-tratos de menores em certas circunstâncias: são as chamadas “pessoas com denúncia obrigatória”.

Para averiguar como e onde pode fazer a denúncia, contacte um serviço de protecção de menores, ou a esquadra de polícia mais próxima da sua residência.

Como reconhecer os maus-tratos de menores

Alguns indícios de abuso ou negligência de menores:

A criança:

* Apresenta alterações repentinas de comportamento e desempenho escolar;
* Tem problemas de aprendizagem, não atribuíveis a uma causa física ou psicológica específica;
* Tem dificuldade de concentração;
* Está sempre alerta, como se esperasse que alguma coisa de mau lhe aconteça;
* Carece de supervisão adulta;
* É extremamente retraída, passiva ou submissa;
* Chega adiantada à escola e a outras actividades, fica até mais tarde e não quer regressar a casa.

O pai (ou a mãe):

* Demonstra pouco interesse pela criança;
* Mesmo depois de notificado dos problemas físicos da criança, não providencia o seu tratamento;
* Nega a existência dos problemas da criança em casa ou na escola, ou culpa a criança por estas dificuldades;
* Pede aos professores ou zeladores que utilizem força física severa como método de disciplina para o mau comportamento da criança;
* Pensa que a criança é má por natureza, problemática, ou que vale pouco;
* Exige resultados físicos ou académicos que a criança não pode alcançar;
* Mostra uma certa dependência afectiva da criança; necessita dela para satisfazer as suas necessidades emocionais; exige toda a sua atenção.

O pai (ou a mãe) e a criança:

* Raramente se tocam ou se olham na cara;
* Consideram que a sua relação é completamente negativa;
* Dizem que não se dão bem.

Tipos de abuso

Seguem alguns indícios normalmente associados a certos tipos de abuso e negligência, como o abuso físico, o abuso sexual, o abuso emocional e a negligência. É importante sublinhar que estes tipos de abuso costumam manifestar-se isoladamente ou combinados. Uma criança que é repetidamente abusada fisicamente, também é vítima de outros tipos de abuso, como o abuso emocional ou psicológico. Uma criança abusada sexualmente também pode ser vítima de negligência ou abandono.

Indícios de abuso físico

Há que considerar a possibilidade de abuso físico quando a criança:

* Tem lesões, queimaduras, mordidelas, olhos inchados ou ossos deslocados ou partidos;
* Tem nódoas negras, inchaços ou outras marcas na pele depois de faltar à escola;
* Parece estar aterrorizada com os seus pais, e chora ou protesta quando é hora de ir para casa;
* Se encolhe ou se diminui na presença de um adulto;
* Diz que foi magoada por um dos seus pais ou por um representante.

Deve considerar-se a possibilidade de abuso físico quando o pai, a mãe ou um representante adulto:

* Dá uma versão contraditória ou pouco convincente, ou quando não consegue explicar as lesões da criança;
* Diz que a criança é “má”, ou descreve-a de uma maneira muito negativa;
* Recorre à força física severa para disciplinar a criança;
* Foi abusado na sua infância.

Indícios de abandono ou negligência

Consideram-se situações possíveis de negligência ou abandono, quando a criança:

* Falta à escola com frequência;
* Mendiga comida ou dinheiro, ou os rouba;
* Carece de atenção médica ou dentária, não está imunizada ou tem falta de óculos (quando é manifesto que necessita de os usar);
* Quando está suja ou cheira mal frequentemente;
* Não tem roupa suficiente para se proteger do clima;
* Consome álcool e drogas;
* Diz que não tem ninguém em casa que cuide dela ou lhe dê atenção.

Deve ser considerada a possibilidade de abandono ou negligência quando o pai, a mãe ou um representante adulto:

* Se mostra indiferente à criança e às suas necessidades;
* Parece estar deprimido ou sem motivação;
* Se comporta de maneira irracional;
* Consome álcool ou drogas.

Indícios de abuso sexual

São de considerar as situações em que a criança:

* Tem dificuldade em andar ou sentar-se;
* Se nega bruscamente em participar em actividades desportivas ou a mudar de roupa no ginásio;
* Diz que tem pesadelos e que urina na cama;
* Tem falta de apetite ou come mal;
* Demonstra conhecimentos sobre sexualidade que parecem sofisticados, inusitados ou até raros na sua idade;
* Se engravidou (meninas) ou contraiu uma doença venérea, particularmente se tem menos de 14 anos;
* Fugiu de casa;
* Diz que foi abusada sexualmente por um dos seus pais ou por um representante adulto;

Deve, ainda, considerar-se a possibilidade de abuso sexual quando o pai, a mãe ou um representante adulto:

* Exagera na protecção da criança, ou limita severamente o seu contacto com outras crianças, especialmente do sexo oposto;
* Se isola e faz mistério;
* É ciumento e controla outros membros da família.

Indícios de maus-tratos emocionais

É de considerar esta possibilidade, quando a criança:

* Demonstra comportamentos extremos, que vão da submissão ao comportamento intempestivo, da passividade à agressão;
* Se comporta como adulta (por exemplo, cuidando de outras crianças), ou mostre certo infantilismo (batendo com a cabeça ou balançando-se);
* Está atrasada física ou emocionalmente (para a sua idade);
* Já tentou o suicídio;
* Diz que não tem vínculo afectivo com os seus pais.

Também é de considerar esta possibilidade, quando o pai, a mãe ou um representante adulto:

* Acusa, deprecia ou humilha a criança constantemente;
* Não demonstra nenhum interesse pela criança e se nega a aceitar ajuda para os problemas da criança;
* Rejeita a criança abertamente. CWIG

2 Responses to Como reconhecer crianças maltratadas: sintomas e indícios

  1. Mindo 18/01/2013 em 10:05 pm
    No meu prédio vive uma jovem com uma criança que sofre contínuos maus tratos. As conversas da mãe com ela são sempre do género “fo..-.., vai pro c……, porra, etc. Leva-a à rua sempre depois das 23,30 e nunca a põe a dormir antes da uma, duas da manhã. A criança não tem dois anos e já passa por tudo isso. Só sabe empurrar ( verificado por mim ainda hoje) empurrou-a pelas escadas acima ao mesmo tempo que dizia anda “p…., filha da p… O que vamos ter daqui? Que posso eu fazer?

    Obrigado pela ajuda.

    Responder
    • Rafaela Costa 28/06/2013 em 2:14 pm
      MIndo , cheguei até o site vi seu comentário pesquisando sobre violências contra crianças , não sei exatamente qual é o procedimento ético e correto , mas eu pessoalmente acionaria o conselho tutelar , faria uma denúncia anônima se você não quiser se envolver e preservar sua identidade , acho que seria o caminho ideal para proteger essa criança de danos maiores físicos e emocionais inclusive .

      Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>